sábado, 6 de junho de 2009

O Grande Vício

Existe um vício do qual homem algum está livre, que causa repugnância quando é notado nos outros, mas do qual, com a exceção dos cristãos, ninguém se acha culpado. Não existe nenhum outro defeito que torne alguém tão impopular, e mesmo assim não existe defeito mais difícil de ser detectado em nós mesmos. Quanto mais o temos, menos gostamos de vê-lo nos outros.

O vício de que estou falando é o orgulho. De acordo com os mestres cristãos, o vício fundamental, o mal supremo, é o orgulho. É por causa dele que o diabo se tornou o que é. O orgulho leva a todos os outros vícios; é o estado mental mais oposto a Deus que existe.

O prazer do orgulho não está em se ter algo, mas somente em se ter mais que a pessoa ao lado. É a comparação que torna uma pessoa orgulhosa: o prazer de estar acima do restante dos seres.

Como podem existir pessoas evidentemente cheias de orgulho que declaram acreditar em Deus e se consideram muitíssimo religiosas? Infelizmente, elas adoram um deus imaginário. Na teoria, admitem que não são nada comparadas a esse deus fantasma, mas na prática passam o tempo todo a imaginar o quanto ele as aprova e as tem em melhor conta que ao resto dos comuns mortais. Ou seja, pagam alguns tostões de humildade imaginária para receber uma fortuna de orgulho em relação a seus semelhantes.

Sempre que constatamos que nossa vida religiosa nos faz pensar que somos bons - sobretudo, que somos melhores que os outros -, podemos ter certeza de que estamos agindo como marionetes, não de Deus, mas do
Diabo. O diabo ri às gargalhadas. Fica satisfeitíssimo de nos ver castos, corajosos e controlados desde que, em troca, prepare para nós uma Ditadura do Orgulho. Do mesmo modo, ele ficaria contente de curar frieiras dos nossos pés se pudesse, em troca, nos deixar com câncer. O orgulho é um câncer espiritual: ele corrói a possibilidade mesma do amor, do contentamento e até do bom senso.

Se alguém quer adquirir a humildade, creio poder dizer-lhe qual é o primeiro passo: é reconhecer o próprio orgulho. Aliás, é um grande passo. O mínimo que se pode dizer é que, se ele não for dado, nada mais poderá ser feito. Se você acha que não é presunçoso, isso significa que você é presunçoso demais.

C.S. Lewis em Cristianismo Puro e Simples / Kleber Pessoa

Fonte: Solomon

5 comentários:

blogdocatarino.com disse...

Nesse caso o autor esta usando a palavra orgulho como sinônimo de soberba, pois no português orgulho é altivez. Não tinha visto falar que orgulho fosse pecado.
Todos dizemos que temos orgulho de nossa coragem, de nossas realizações.

Victor S. Gomez disse...

Muitas vezes o orgulho atrapalha, em outras ajuda. Abraços

Victor S. Gomez disse...

Muitas vezes o orgulho atrapalha, em outras ajuda. Abraços

Bronca no Trombone disse...

Meu avô era muito orgulhoso, no entanto, eu sou humilde, quase simplório. Sei que tenho uma penca de defeitos e procuro melhorar a cada dia para evoluir como ser humano e espírito. Orgulho, no bom sentido da palavra, eu tenho de ser do jeito que sou, com meus defeitos, minhas falhas, minhas qualidades etc.

Alexandre Forato disse...

reconhecer o próprio orgulho é muito complicado. É difícil dar o braço a torcer. reconhecer o próprio defeito.