quarta-feira, 6 de maio de 2009

10 atitudes para tornar-se um cult da espiritualidade pós-moderna


Instruções irônicas para os aspirantes. Veja:

01. Ame os escritores estadunidenses heterodoxos, mesmo sendo um antiamericano de carteirinha e contrário a dita “teologia enlatada”. Você será incoerente, mas como seu amado filósofo Nietzsche, não se importará com coerência.

02. Devore acriticamente essa literatura, especialmente Brian McLaren e a sua “Ortodoxia Generosa”. Livro obrigatório para um novo cult pós-moderno.

03. Critique duramente os fundamentalistas norte-americanos, inclusive aquilo que eles têm como virtudes. Ora, um autêntico cult não pode ver nenhuma qualidade nesse grupo.

04. Pense sempre “fora da cerca”, mesmo que você caia na lama.

05. Vista camisas com estampas de Che Guevara, pois isso é chique. Critique esse tal de neoliberalismo, mesmo não entendo nada de economia. Lembre-se sempre disso quando lanchares no McDonald´s, que precisa lutar contra os impérios em nome dos pobres. Seja verde, seja defensor das minorias e até do casamento gay. Demagogia em primeiro lugar!

06. Critique aqueles que gostam de uma “teologia velha”, mas devore a espiritualidade medieval nas pessoas de Francisco de Assis e Teresa de Ávila. Mas uma vez a incoerência, mas não se preocupe.

07. Considere o filósofo prussiano Friedrich Wilhelm Nietzsche um cristão. Isso mesmo. Para os cults pós-modernosNietzsche era um cristão, mesmo afirmando que o cristianismo era “mais nocivo que qualquer vício”. Diga sempre que a “teologia ortodoxa” foi contaminada pela filosofia grega e pela modernidade iluminista, mas nunca admita que você sofre influências da filosofia contemporânea.

08. Despreze aqueles “caras” chatos, como Calvino, Wesley e Spurgeon. Eles incrivelmente acreditavam no mito da inerrância bíblica.

09. Ame de todo o seu coração autores como Rubens Alves, Frei Betto, Leonardo Boff etc.; e odeie de todo o seu coração autores como R. C. Sproul e Francis Schaeffer.

10. Esqueça, a Bíblia foi manipulada, assim como você aprendeu naquele livro fantástico do Dan Brown, “O Código da Vinci”. Um clássico da história cristã. Portanto, esse livro servirá para você como uma narrativa meramente mitológica. Ok? Não fique contaminado por aquele papo dos terríves ortodoxos.

Fonte: Teologia Pentecostal

3 comentários:

Mayalu Moreira Felix disse...

rsrsrs

Além de Frei Betto e Leonardo Boff, entram nessa lista o familiar Ricardo Gondim. Alguns blogs ditos cristãos, mas "com pimenta" (para mim tem mais é cheiro de enxofre)seguem essa cartilha religiosamente.
Um abraço,

Maya

Teo disse...

Como humor é ótimo. Como argumentação não me agrada muito, já que não gosto de recorrer a reduções ao ridículo, mas são inegáveis as verdades implícitas na ironia. Tem gente até exaltando a incoerência já que não consegue conciliar nem os pontos básicos do que acreditam.

Carlos disse...

oi pr julio...eu nao concordo com suas ideias mas te amo, mesmo com um amor que possa estar sujo de umas ideologias que voce nao concorda... mas se pudesse eu varreria todas as sujeiras que impede meu amor de ser reconhecido por voce...para que de alguma forma um abraço meu signifique simplesmente um abraço carinhoso...
eu gosto muito do Pr. Ricardo Gondim, leio Leonardo Boff também. Sei que isto cheira a voce heresia...mas meu amor por pessoas que discordem de mim é maior...ele nao é heresia...
entao permita o amor ser maior...nao foi isto que paulo disse?

abraços